domingo, 19 de novembro de 2017

Acredite

Eu vejo beijos sinceros e choro
Não me enquadro direito nesse mundo
Acho que vou morrerei cedo
Mas não posso esperar tanto
Juro não tenho mais medo
Pois tantas vidas vivi e viverei
Vivi tantos reinos
Rainhas, princesas, plebeias
Nunca quis ser rei
Fui e entendi o caminho da felicidade
Linhas e novelos de simplicidade
Colchas e cobertores de muito amor
Tive sorte de ter pais encantados
Destes de contos de fada
Pude com muita vontade e trabalho
Sobreviver com minha escrita
Bendita escrita

Tenho amigos que me abraçam
E eles me confortam e estão sempre comigo
Não são muitos, mas são o bastante
Sofro muito para provar que é o simples que quero
Há um silêncio em mim que grita
E mesmo que tenha errado muito, fui sincero
Em vez de inventar o que seria alegria
Fui ser aprendiz
E aos poucos fui entender o que era ser feliz
Eu choro muito porque aprendi a perceber
Este verbo de ligação que ninguém lê
Tudo é muito rápido, meu amigo
Para ter que sempre olhar o lado ruim
Procure a luz, aquela do fim do túnel
E acredite ela sempre está bem aqui
Não queira ser o dono de toda a verdade
Seja apenas o dono da tua felicidade




quarta-feira, 15 de novembro de 2017

O olhar mexe com o corpo, arrepia a alma, aquece o mais do que o tanto...
A cor do tato desenha o corpo, redescobre a alma, expõe o mais do que o tanto...
A boca umedece o corpo, acalenta a alma, deseja o mais do que o tanto...

O amor é a refeição do olhar, do corpo, da alma e do mais do que o tanto...


terça-feira, 14 de novembro de 2017


Quem ama não data.


segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Há de ser inconveniente
para muita gente
essa minha mania
de me lapidar com o erro
não que isso
me absolva do ato
mas de fato
é preciso atenção
viver bem
é um passo entre

o aprender e o perdão

domingo, 12 de novembro de 2017

Quando a exatidão descobre que a surpresa é fundamental

Baldes de mares teimam em encher dedais
Assim esquecemos os beijos no meio da tarde
Das cartas redigidas a mão


É preciso surpreender
O amor necessita de arrepios e friozinhos na barriga
Amor não tem botão de liga e desliga

Botões que valem de verdade
São os que deliciosamente abrimos para sentir o corpo amado







Solidão


É tarde
a noite arde
é pressa
a lua cresce
é madrugada
a nuvem passa
é frio
o conhaque aquece
e um estopim 
brinca à beira de uma fogueira


Essa chuva

Acende uma chuva aqui dentro
Vindo de um lustre com uma luz fraca
Uma dor conta pingos
Uma espera que o destino crava
Um “não sei lá” que responde tudo
Uma alma que não se lava
Um grito encharcado e mudo
Um querer quase absurdo
Vontade de te ver
Um amor que me faz ser
Tudo aquilo que eu sempre quis ser
E essa chuva que não passa
Autobiografia

Não é meu choro que chora
É a minha vida que agora sorri
Quis partir, quis ir embora
Mas o meu agora sempre foi aqui
Minh’alma é clara e transparente
Se voei demais foi por intenção
E quem não entendeu esses voos
Foi porque não entendeu meu coração
Sempre fui muito feliz
Porque aprendi que a vida é emoção
Não troco abraço de amigo por nada
Não troco beijo da mulher amada
O que errei foi com muita convicção





"Há" tempos

Há tempos
navegar era um ato de remos e lágrimas
Águas que rolavam de rostos
entre ondas que quebravam em gritos
em calmarias que encaminhavam barcos

Há tempos
naufragar era um ato de provocar a sede
Hoje mares moram em copos
Imensidão é uma questão de tato


Segunda-feira após uma solidão de mar

O tempo é um velho professor. 
Escreve calma, paciência, compreensão, claridade

para dizer amor.

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

PARA CAU (Luiz Carlos Cancellier de Olivo)

A FORÇA BRUTA
NÃO DEVE CALAR A LIBERDADE
NEM AFASTAR DO HOMEM, A LUTA
NEM AFASTAR DO FATO, A CLARIDADE

UM HOMEM E A SUA HONRA
SUA FALA, SEU ENSINAMENTO
PELO MANTO DA DEMOCRACIA
O ÓDIO NÃO CALA UM PENSAMENTO

SEU DISCURSO FORA ESCRITO
EM CADA MOMENTO DE VIDA
SUA CASA FOI O ENSINO
PROFESSOR ATÉ NA PARTIDA

SUA NUDEZ VESTIU NOSSOS SONHOS
CORAÇÃO, CORAGEM E CONSCIÊNCIA
UMA LEGADO, UMA LIÇÃO
EM NOME DA INOCÊNCIA

QUE A JUSTIÇA SEJA FEITA
COM OS OLHOS DA IGUALDADE
QUE EM TODO O JULGAMENTO QUE SE FAÇA
QUE SEJA PELA LUZ DA VERDADE

JUSTIÇA, JUSTIÇA, JUSTIÇA
ALIMENTO PARA A NOSSA FOME
ÁGUA PARA A NOSSA SEDE
QUE SEJA FEITA A JUSTIÇA DOS HOMENS

CAU VIVE

quarta-feira, 1 de novembro de 2017



FRASES DA HORA DO CAFÉ


Calor em dias frios, 
rasgos em tecidos finos, 
céu de bocas famintas: 
o grito não atende a previsão do tempo...




O dia tropeça na tarde, mas quem cai é a noite.
Talvez o amor tenha muito mais que claros segredos...



Já virei a página sem ter entendido o livro. 
(Meu amigo, amor não é adivinhação)...
Na minha fala não cabe outra boca que não seja a minha
Não sou guri de recados
Sei que a vida é um aprendizado
E lapidação

A verdade não deve ser segredo
Que fique claro
Já me assustei muito na vida e resisti
para agora ter medo

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Frases soltas presas ao tempo



A confusão ardia
noites quentes
ventos de calmaria
mormaços de Joanas e Marias
bêbadas madrugadas sem fatias
tempo do presente não tão perfeito
olhares sem garantias
orações sem leitos
saudade tatuada em folhas de samambaias

domingo, 29 de outubro de 2017

Ainda sobre o "longe"

Presença é muito mais do que corpos juntos
Presença é sentimento, comprometimento, clareza, harmonia
Presença é confiar, compreender,
sinto-me iluminado pela distância
pois ela me diz que tudo é verdade
estou perto..
Declaração de amor rasgado

Rasgou minhas cartas,
rasgou minhas fotos,
rasgou meus livros,
e, por último,
rasgou as próprias roupas,

e fizemos amor na sala...







Vias de fato

Tuas palavras invadem meu silêncio e minha casa
Provocam meus gestos e desenham minhas poesias
Perco-me na estranha sensação de não estar no comando do barco
Julgo que perdi minha bússola, meu mapa e, minhas asas
O fato que teu sorriso é de fato minhas reais vias
E falar de amor sem falar teu nome faz o amor vago

Nossa história é história de final feliz e todo mundo sabe
Pois existe uma varanda a espera do nosso beijo
O destino atiça, provoca e sempre nos coloca perto
E o sentimento por ser mais do que o tanto não cabe
No significado mais amplo do que seja querer e desejo

Um dia, eu sei, daremos bem certo

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Conversas

Ainda assim, acredito em minha varanda, em minha rede, em minha poesia... acredito que tudo é simples demais e complicamos tudo. Ainda assim, acredito em andar de mãos dadas, em dormir de conchinha e outras posições de encaixes. Ainda assim, sigo a buscar, a "me" perder, a "me" encontrar e, tenham certeza que o tempo passa rápido
demais e precisamos aproveitá-lo com muito amor, em todos os sentidos. Ainda assim, continuo a passear na praia, a escutar as gaivotas e a todo o momento resgatar o menino que mora dentro de mim. Às vezes me pergunto se estou no mundo certo. A resposta vem rápida: com certeza, não.




segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Copos
Um copo d´água beira também a inundação
é preciso entender os mares, as marés e os ventos
e saber diferenciar cada embarcação
a água que mata a sede também é a lágrima em outro momento
quem haverá de entender rios apaixonados por correntezas?


quinta-feira, 19 de outubro de 2017




Dona Zica e Cartola
                     
“Me” liga e diz o que acontece.
Declame feito Dona Zica.
“Me” liga para que eu não fique sozinho.
Declame “a vida é um moinho”.

E quando quiseres, minha rosa,
Lembre que amor não se aprende em escola.
Assim te chamarei de Dona Zica.

E sonho que um dia me chames de Cartola.


Assim

Que desatino de vida, que maçaroca doida e doída, que vai assim, feito punhal, a desbravar o meu peito. Esse peso nas costas, essa luta para defender o que é de direito.

Que o amor seja a costura, chuleio de colchas que nos abrigarão de noites frias, um canto de tanto tempo a trilhar nossos momentos, essa luta de fazer o que precisa ser feito.


Procure o abraço antes do grito, procure o amigo antes do medo, entenda que como está esse mundo, só o mar do entendimento te fará navegar, essa luta para mostrar que as velas precisam de mar.

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Silêncio
O relógio está quebrado.
A carta não tem selo nem CEP.
A mensagem bebeu a garrafa.

domingo, 15 de outubro de 2017

Assim

O poeta é um solitário
É tão difícil não sê-lo
É tanto enleio
Em rolos de tantos novelos
A palavra se agiganta
Faz café, almoço e janta

O alimento é toda a vida
Ser poeta é chegada junto com a despedida
Pessoa falava da dor
A nossa dor tão doída
Faz a palavra nascer
Entre os fins de toda a lida

Mas não se enganem
Que o amor é fonte de linhas
E escreve romances tão lindos
Cravados na Mãe Poesia
E mesmo na solidão
O amor é uma rima tão minha



Os Mestres não morrem


Mesmo que muitos queiram matá-los
Eles moram nas palavras, nas lições e nos ensinamentos
Os Mestres não morrem
Porque ódio nenhum mata um pensamento
Os Mestres não morrem
Porque deixam lições para a vida inteira
Os Mestres não morrem
Porque a vida é uma vida além de outras tantas vidas
Eu aprendi a escrever com a Graça, com a Helenara e com o Bertolino
Fizeram um homem daquele sonhador menino
Mas me deixaram com o mesmo olhar
Os Mestres não morrem
Porque vivem no coração de quem os escutou
Os Mestres não morrem
Mesmo que muitos o tenham matado
São seres iluminados
Seres além vida
Com eles nunca fiquei sozinho
Aos Mestres,
Meu eterno carinho
Os Mestres não morrem
Porque eles deixam recados eternos em nossa alma



sábado, 14 de outubro de 2017

Febre

Uma sensação sem cor me atravessa.
Embora não fale, não cala.
Invariavelmente estanca cada passo meu.
Um punhal que fere a própria ferida.
Um jogo onde a dor supostamente venceu,
Sem que a existência se desse por vencida,
Ficando exposto aquilo que o poeta ainda não escreveu...
Assim fica entendido o mágico encanto dessa vida.

A vida é uma longa febre.


sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Deixa

Deixa minha bagunça fazer dançar minh’alma
E quando me faltar a calma
Eu me pegue a sorrir
Deixa a confusão me permitir o acaso
E quando meu mergulho for num lago raso
Eu me salve nas águas do teu corpo
Deixa a minha cara rubrar
E quando me faltar o ar
Eu me pegue a respirar sem desistir
Deixe eu gostar de poesia
De viver minha alegoria
Sem comprometer o que acredito
Não sei o que é feio nem o que seja bonito
Sei da compreensão e respeito pelo todo
Não gosto de mentira, de traição, nem desse lodo
Gostaria somente de poder viver
Sem usar o outro, sem fazer do outro um degrau
Não quero definir o bem nem o que seja mal
Sei que a transformação nasce em cada um
Deixa eu tentar dizer minha poesia
Deixa eu tentar colorir o meu dia
Deixa eu tentar alegrar minhas crias

Tem gente que não admite os meus tentares
Meus quereres
Minhas alquimias

Deixa assim
Eu não quero aprovação
Aprendi a viver com o não

Deixa eu escutar Chico, ler Quintana e procurar meu sim


quarta-feira, 11 de outubro de 2017

GUARDAR



Um terno de linho branco, 
uma colcha de ternura,
um baile em noite clara, 
uma lua no Campeche,
quem guarda não perde.

domingo, 8 de outubro de 2017

Nem tudo é todo

Nem toda a hora é clara
Nem todo o ovo é gema
Nem toda a correria é risco
Nem todo o lápis desenha
Nem toda a frase é lema
Nem todo o amor é sina
Nem toda a teoria condena
Nem toda a prática ensina

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Coisas de guri
Quando eu era guri, muito guri... em Torres... descobri que o mar no quintal de casa era o mesmo mar do mundo inteiro... a felicidade sempre mora perto... é preciso bater em sua porta e dizer “eu
te quero"... Coisas de mar..

domingo, 1 de outubro de 2017


A linha

A felicidade é uma linha... 
uma voz que corre a linha... 
uma linha que é feita de nós... 
uma nota musical alinhada com o querer... 
a simplicidade é amiga da linha... 
o tempo é parceiro da linha 
e o amor é o tear...

Mas...ou Mais...

Eu ando a querer ser inteiro
Mas resvalo na inquietude
Eu ando em cacos...

Tem horas que eu desenho Van Gogh
N´outras rabisco
Meus pedaços...

Eu ando a querer ser inteiro
Capa de super homem
Defendo tudo...

Mas meus gritos
Se perdem nos espelhos
Quando o destino fica mudo...

Eu ando a querer ser inteiro
Mas vem o abraço da ansiedade
Meu peito explode...

Em meu leito dorme a insônia
Penso em equações, duvido do quadrado
Que teu amor me acorde...


sábado, 30 de setembro de 2017




A intrigante briga entre a chuva forte e o chão seco
                     
Tem dias que a gente nem sabe o que quer.
E querer nada, pode ser querer demais.
E querer tudo pode ser não querer.
É como um chão seco apaixonado pela chuva forte,
E ter medo que ela possa ser forte demais.
(O amor, com certeza, é assim).


- Deixa chover, grita Dolores, já encharcada.
A tristeza

Tristeza não se esconde debaixo do tapete.
Tapete fala.
Tapete grita.
Tapete absorve.
Aspirador de pó não pode ser a felicidade...
Tristeza tem que ser vivida, degustada, entendida.
(Dolores, aflita, diz: - Tô precisando de uma faxina...)




sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Faltas
          
Lá vai Quirina buscar sede num copo.
Lá vai Quirina buscar fome num prato.
Lá vai Quirina buscar amor numa esquina.
Lá vai Quirina buscar paz num rapto.


(Lá vai Quirina buscar o mundo num dedal)...




O amor e seus fusos-horários

A lua na sacada
Cai num copo de vinho
A noite é uma cilada
E também é um ninho
O significado de prender
Depende do estado de querer
Ou não querer estar sozinho

A felicidade é uma medida inexata
Entre o amor e a pessoa sonhada
Numa linha traçada sem data
De um calendário que move o coração
E vem um amor em hora errada
E transforma a pessoa amada

Numa chuva breve de verão
Sedes e estios

O deserto tem 
como paixão maior a lágrima. 
Areia nos olhos faz chorar.
Constatação


O luar é um cachecol, 
com o qual eu protejo teu pescoço 
dos meus beijos roubados.

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

que tudo que se faça que se faça por amor que se faça amor em tudo o que se faça 
que seja por amor o que se faça
Meu

Eu tenho um mar atrás de casa
É minha asa
E ninguém é obrigado

A se banhar